Promotores de eventos já veem crescimento em 2017

Crescimento do mercado de eventos

Com vendas mais rápidas que em 2016, além de orçamentos mais robustos das empresas, organizadores começam a ensaiar recuperação e, quem sabe, voltar a crescer.

Pet South America 2016: mesmo com estandes menores, fluxo de visitantes nos espaços começa a subir. Com perspectivas um pouco mais positivas para a economia em 2017, promotoras de feiras já têm indícios de retomada do mercado.

Para empresas, a velocidade de venda das plantas e a expectativa de visitantes se mostram melhores que em 2016, quando o setor teve queda de 8% no número de expositores, segundo a União Brasileira dos Promotores de Feiras (Ubrafe).

De acordo com a pesquisa Mercado de Eventos no Brasil, cerca de 32% das empresas pretendem elevar o orçamento para 2017, enquanto 38,8% deve manter o mesmo valor e 29% reduzir.

Apesar do percentual das companhias que diminuíram o investimento permanecer alto, com o resultado é positivo ante ao orçamento de 2016, quando 65,4% dos respondentes afirmam ter reduzido o valor e só 18% decidiram aumentar o gasto. Segundo a DCI – Diário Comercio Industria e Serviços.

Com um cenário macroeconômico ainda retraído e a capacidade de novos investimentos limitada, a principal estratégia no mundo dos negócios para crescer é ganhar participação de mercado.

A tendência é que o aumento do aporte seja focado em tecnologia para o estande, do que o tamanho do espaço, que em 2015 e 2016 passaram por grandes reduções.

Além de estandes mais inteligentes, o presidente da Reed Exhibitions Alcântara Machado, Fernando Fischer, destaca que a tecnologia também deve ser utilizada para ajudar no relacionamento entre clientes e expositores.

Depois de investir em plataformas de conteúdo e tecnologias que ajudem no agendamento das visitas, o executivo diz que uma estratégia que será explorada neste ano é o intercâmbio entre feiras, onde visitantes ou expositores podem receber informação sobre outros eventos da Reed.

O executivo afirma que as empresas do País estão iniciando um novo ciclo de investimentos e devem começar a se reestabelecer neste ano, assim como retomar a participação em eventos.
“Aos poucos veremos a retomada do emprego, as pessoas vão começar a pagar suas dívidas e consumir, por isso, as empresas devem se preparar”, indica.

Febratex Group, Hélvio Roberto Pompeo, afirma que durante a feira para a indústria têxtil Febratex, realizada em agosto do ano passado, a companhia vendeu 95% dos espaços para o evento de 2017.

Segundo Pompeo, o ano de 2016 deve fechar com 12% de alta do faturamento e a expectativa é atingir em 2017 entre 10% e 12%.  Segundo o executivo, apesar de uma redução entre 20% e 25% dos estandes, o número de visitantes tem aumentado entre 5% e 8% nos eventos da companhia.

Promotores de eventos ja veem crescimento

Promotores de eventos ja veem crescimento

“Não posso reclamar com das nossas feiras da área têxtil, porque em outros mercados as feiras podem demorar um pouco mais para voltar.”

Para ele, um dos segredos para ter um evento bem-sucedido, hoje, é conseguir trazer a academia, o setor público e empresas no mesmo local.

Desafio

Se há alguns anos o desafio do setor era a falta de infraestrutura adequada para as feiras, após reformas recentes e lançamento de novas áreas nos principais espaços de São Paulo (SP),  a maior necessidade do setor é o de um centro de convenções com capacidade superior aos que temos atualmente.

Contudo, de acordo com uma fonte que preferiu não se revelar, “o problema é que ele queria dividir em três licitações [centro de convenções, pavilhão de exposições e sambódromo].”

Via DCI – Vivian Ito

Deixe uma resposta